Arquivo | Textos RSS feed for this section

A viagem

21 abr

a viagem

O desespero fez com que eu tomasse decisões inéditas. Não via mais chão, não via mais teto, não via mais rua. Via você, iluminado em meio ao infinito e negro mistério. Queria tocar, queria me aproximar, contudo o medo fez questão de colocar suas mãos frias sobre meus tímidos olhos.

O encantamento cresceu e a agonia foi com ele de mãos dadas. You’ll be frustrated ‘till the day that you’re done, já cantava Casablancas. Cansei-me daquele orifício que havia sido aberto em meu peito. Desejava a cura como nunca em minha jornada. Não sabia por onde ir, porém tinha certeza absoluta de onde queria chegar.

Chegou um momento em que algo gritou aqui dentro. Saí de mim como um pássaro voa pra fora da gaiola ao longo da desconhecida liberdade. Para minha surpresa, para meu sorriso, consegui planar.

Fiquei bêbada com a larga dose de orgulho que tive que engolir. Apaixonei-me pelo efeito, a sensação de estar fora do meu próprio corpo. A liberdade me acolheu e aquela dor, enfim, começou a florescer e mostrar seu sentido, sua verdadeira face.

Não sei ao certo para onde esse sopro me carregará, nem sei para que lado minhas asas crescentes se curvam. Sei que sigo, cada vez mais decidida, ainda que os tropeços e as gotas. E se, por ventura, o vento me fizer mudar o rumo, vou ainda mais vigorosa, até que esteja apta a finalmente pousar.

(Imagem: We heart it)

Anúncios

Conto de fadas

13 fev

conto de fadas

Não amo,

Nem estou apaixonada,

Nem estou afim,

Simplesmente gosto.

o

Gosto como a garotinha

Que ainda sei que sou.

Gosto, porque gostar é mais fácil,

Mais verdadeiro.

o

Gosto sem grau, sem tamanho,

Sem data de validade,

Porque eu sei que segunda pode acabar,

Mas talvez na terça aumente.

o

Gosto baixinho,

Gosto escancaradamente,

Gosto com pesar,

Porém gosto com esperança.

o

Gosto, pois por mais encantador,

Não sei muito sobre você e,

Mesmo que ainda míope,

Enxergo alguns defeitos.

o

Amar é exagero,

Interessar-se é breve

E gostar é um pouco de cada,

Uma doce incerteza.

o

Gostar sem compromisso,

Gostar sem cobrança,

Gostar sem remorso,

Gostar.

(Imagem: We heart it)

P.S. Me sigam no Instagram: instagr.am/victorialopesp (:

Poente

6 fev

melVenho aqui na tentativa de te tirar de meus incessantes pensamentos. Expulsar você de uma vez por todas, para que esse sentimento estranho pare de me incomodar. Para que as borboletas não abram asas dentro do meu estômago no momento em que eu escutar seu nome ou em que eu sentir que você se aproxima.

Sua fama é inconstante e até um pouco suja. Contaram-me coisas a seu respeito das quais provavelmente você não iria se orgulhar, porém a possibilidade de um dia me aproximar de você bloqueou meu cérebro. Convenhamos, não? Você é a pior escolha. É bastante claro que te ter como opção é masoquismo.

Eu não quero você. Não quero seu desejo por desapego, nem seu histórico amoroso extenso, nem seu jeitinho ignorante, nem esse negócio de você conhecer todo mundo e não conhecer realmente ninguém. Eu fico repetindo todas essas coisas pra mim mesma, várias vezes nos últimos dias, só pra tentar me convencer de que não sinto algo especial por você. Tentar me enganar.

A verdade, seu infeliz, é que eu não paro de te imaginar comigo. E eu o odeio por isso. Também odeio esta situação em que me encontro, a capacidade que você tem de fazer uma bagunça dentro de mim.

Só quero que essa ansiedade pra te ver acabe, que essa vontade de saber de você não se manifeste, porque minha lista de desilusões não há de ser prolongada. Suma, por favor. Não almejo exaltar minha raiva, não pretendo inibir meu riso. Então vá, assim como o sol no fim da tarde, dando oportunidade para o brilho da lua.

(Imagem: Mel)

No banco da praça

30 jan

beautiful-flowers-photography-pink-Favim.com-621348_large

Entre tantos timbres, escolhi o seu, meio que por curiosidade, meio que por instinto. Eu o escolhi para me entreter até eu cair no sono, para me proporcionar paciência enquanto estou no carro, até chegar ao meu destino. Eu o escolhi como companhia no minuto mais vagaroso, na lágrima mais pesada, na vontade de dançar, na insistência em sonhar.

É você quem eu quero ver comigo naquela foto, naquele parque, naquela música. Quero te encontrar no fim do dia e te contar alguns segredos. E ouvir os seus. Quero te acompanhar pela mão e pela voz.

Desejo seus mistérios. Cada um deles, detalhados, compridos e até bobos. Por que você pensa assim? Por que você escreve assim? Conte-me, vai. É dessa maneira que a gente se aproxima, que vou saber como encontrar o melhor tom para mim.

Brigue comigo, desabe, o que quiser. Eu só te peço que, mais tarde, você use seus olhos pra dizer que sente muito e implorar perdão sincero, que desse jeito funciona. Então a gente se rende, canta e dorme feliz.

(Imagem: We heart it)

Fita dupla face

22 jan

fita dupla face

Depois de comer minhas batatas preferidas, ou mesmo mascar um chiclete, a primeira coisa que faço é jogar a embalagem fora, para não ter vontade de consumir mais. Eu gostaria de fazer algo parecido com você.

Queria descartar tudo, desde as fotos no computador até os CDs dos quais eu tenho tanto ciúme. Jogar fora aquela camiseta que guardo com tanto carinho. Poderia fazer tudo que ainda assim você ainda estaria presente nos meus pensamentos.

Assisto a um filme e me lembro de você. Converso com alguém e me lembro de você. Leio um livro e me lembro de você. Sei lá, olho pra uma planta e me lembro de você.

Você está tão presente no meu imaginário que às vezes quase te sinto ao meu lado. Já criei tantos roteiros em minha cabeça em que você era o protagonista que, com frequência, fico meio fora de mim e confundo-os com a realidade.

Você é a mais constante fantasia, a mais absurda viagem, a maior utopia, a mais doce coragem, o melhor dos imprevistos, a desconhecida consciência, a inconstante desistência, o sol tímido entre as nuvens, a intensa inspiração, a voz que atingiu meu ponto fraco e a fotografia pregada na memória.

Aceito

20 dez

2

Gostaria de deixar claro que não odeio a Juliet Joslin – querer que eu me acostume a chamá-la de Juliet Casablancas já vai além da minha capacidade como ser humano – e adiantar que este meu texto vai muito além de meus sentimentos por ela – por mais que eu os use como referência –, ou mesmo por seu querido lindo maravilhoso marido.

Não gostaria de arruinar o casamento deles. Sério. Não sou tão má. É claro que eu queria o Julian. É óbvio, evidente, visível, explícito. Milhares de garotas queriam, mas seria muito egoísmo planejar destruir uma família por uma vontade tão passageira. Porque sei muito bem que é passageira, melhor até do que os idiotas que pensam que sou inocente o suficiente pra acreditar que devo levar isso adiante. Eu não deveria mesmo levar isso adiante.

Por que então carrego esse sentimento? Porque cansei de me enganar, de ficar fingindo pra mim mesma que não estou sendo vítima de algo tão infantil, quando na verdade já me rendi. Estou a inteiro dispor.

Quero gostar completamente de cada detalhe, cada erro, cada discordância, cada nota. Gostar sem cortar ao meio. Sem me policiar. Essa é uma das coisas em que realmente sou boa.

Jules jamais olhará pra mim com esses olhos, lido todos os dias com isso e tem sido cada vez melhor, porém mesmo sabendo que ele tem uma realidade provavelmente muito melhor do que a que eu ofereceria, vou ainda abstrair, sonhar e tentar imaginar como seria se ele cantasse só pra mim. Esses são meus instantes de conforto. Meus pensamentos guardados cuidadosamente no relicário da memória.

Eu me achava velha demais pra isso, no entanto quem eu quero enganar? Entrego-me, até que isso não passe de um sonho que deixei feliz pelo caminho.

Relicário oposto

14 dez

relicário oposto

Andei tanto

pra chegar até aqui,

e depois de tanto canto,

ainda não me descobri.

Não quero espanto,

a pouco sobrevivi,

pois, por enquanto,

nem muito senti.

Um pouquinho de pranto,

mesmo que eu não o precise,

e também um manto

para que me realize.